O silêncio não tem custos

Por Rodolfo Silva

Você provavelmente já viveu uma situação em seu cotidiano em que se julgou injustiçado, desvalorizado ou de mãos atadas. Nesses momentos deve ter ficado chateado, irritado e com vontade de se expressar contra a situação vivida. O desabafo é importante – mas há de se ter cuidado com dois tipos de desabafos: O privado e o público.

Em sua esfera privada você possui a liberdade de pensar/sentir o que desejar, sem ser julgado por aquilo, o que certamente é mais do que justo e necessário para sua saúde mental.

Entretanto, a partir do momento que você se expressa publicamente, há de saber que o que diz será lido, interpretado e julgado pela opinião pública – que no auto de sua experiência vivida, concordará ou condenará (com ou sem razão) suas palavras e atitudes, principalmente se você for uma pessoa que está exposta diariamente na mídia nacional, casos de Thiago Neves, Daniel Alves e Alexandre Pato.

Nessa última semana, os três atletas estiveram envolvidos em polêmicas (desnecessárias) por não saber diferenciar o espaço público e privado, bem como ou quando se posicionar.

Vamos ao primeiro ao caso:

 

Polêmica no twitter! Thiago Neves alfineta o Grêmio.

Thiago Neves em uma semana conseguiu se envolver em duas polêmicas diferentes, porém com mesma origem: não resguardar sua imagem pública.

– Grêmio: Criticado por suas atuações inseguras e sem surtir o efeito desejado, além do alto custo, Neves teve o contrato rescindido com o clube gaúcho. Na primeira partida da Libertadores após sua saída, o Grêmio enfrentou o Universidad Católica no Chile e saiu derrotado por 2×0. Após a partida, Thiago Neves já foi em suas redes sociais fazer um post irônico e em que se exime de suas responsabilidades enquanto atleta: “Continuo sendo culpado? ”, questionou o jogador.

– Atlético Mineiro: Desejado por Sampaoli, o atleta tinha histórico no rival Cruzeiro, onde saiu queimado por atuações irregulares e cobranças financeiras aos dirigentes do clube enquanto a temporada ainda rolava. Acontece, que além de se queimar no clube celeste, Thiago Neves enquanto esteve lá dentro e em alta, nunca perdeu oportunidade de desrespeitar o Atlético. O que não foi esquecido pela torcida atleticana que se manifestou de forma maciça contra a contratação do meia e o impediu de fechar com o clube alvinegro.

Segundo Caso:

Daniel Alves ficou bolado com as críticas!


Daniel Alves
é um excelente jogador, seu rendimento dentro de campo é pouco questionável. O São Paulo não vive uma fase muito boa e, antes da partida contra a LDU, o clube já se via pressionado na Libertadores. Lesionado e impossibilitado de viajar com o clube à Quito, Daniel Alves apareceu tocando pandeiro em um vídeo nos dias que antecediam a partida contra a equipe equatoriana.

A questão que aqui se encontra não é ele tocar pandeiro enquanto lesionado e não poder jogar a partida. Não é falta de esforço, como alguns torcedores exaltados pontuaram, pois não dá para comparar o ritmo de uma partida de futebol com uma roda de pagode. Mas o capitão da equipe deveria ter pensado: “Qual imagem isso passará para a instituição SPFC e meus companheiros de equipe?”.

Além de não ter pensado nos pontos citados acima, o atleta respondeu com ironia nas redes sociais ao postar um vídeo com um tambor na cabeça, o que deu a entender que o jogador estava se sentindo incomodado com as críticas.

Terceiro e último:      

Sem muitas oportunidades recentes para jogar no São Paulo, Alexandre Pato rescindiu seu contrato com o clube em agosto desse ano. O jogador se envolveu em algumas polêmicas com o clube logo após sua saída e em entrevista a Márcio Sampaio da Jovem Pan disse ter sido “sacaneado” pelo clube.

Rescisões não muito amistosas e entrevistas polêmicas são comuns no futebol. Porém, ontem à noite, logo após a derrota do São Paulo para a LDU, Pato ao melhor estilo Thiago Neves foi em suas redes sociais e mandou: “Boa noite galera!!!” – o que foi entendido como zombaria ao seu ex-time.

Pato dificilmente admitirá que foi ironia, ainda mais que há muita gente usando como álibi suas postagens antigas com a mesma fala do polêmico tweet. Sendo ou não a intenção, o momento era inoportuno e a polêmica ficará registrada. Cabe a interpretação pessoal de cada um.

Mas pode isso, Arnaldo?

Os três casos são simbólicos, Daniel Alves, mesmo com seu grande sucesso profissional, tendo colecionado incontáveis títulos na carreira, se mostrou infantil após receber críticas por seus atos e sua resposta à crise não foi nada agradável. Mas sua falha, apesar de ter um ponto em comum com os outros dois casos, que são as exposições desnecessárias em redes sociais, nem se compara a Alexandre Pato e Thiago Neves.

Os dois jogadores têm o direito de se acharem injustiçados ou desvalorizados por seus últimos clubes. Também possuem o arbítrio de se manifestar publicamente expondo seu posicionamento. Mas ao se manifestarem publicamente e sua fala soar como gozação e desrespeito as instituições que defenderam e aos ex-colegas, nos revelam que estão alheios ao seu redor e estão mais preocupados com seu ego do que com a ética.

Essas atitudes me fazem pensar em um velho ditado que diz o seguinte: “É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida.”

Rodolfo Silva

Professor de História e  estudante de Jornalismo. Fundador do Alterna Fut, vez ou outra passa aqui no Del Rey Esportes.

Um comentário em “O silêncio não tem custos

  • 24 de setembro de 2020 em 19:01
    Permalink

    Isso é uma lição pra vida, seja profissional sempre, em qualquer profissão!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *