Crise no Mamoré

Após nova derrota sofrida em seus domínios, desta vez para o Guarani de Divinópolis, a situação do Mamoré se complicou na tabela  e o clube entrou em uma grave crise.

Na penúltima posição, com apenas 2 pontos ganhos, a diretoria demitiu o técnico Toninho Cajuru.

Para piorar a situação, o árbitro relatou na súmula o tumulto promovido pela torcida do Mamoré e agora  o clube corre risco de ser punido.

Houve ainda relatos de que alguns “torcedores”, após a derrota,  invadiram o vestiário e ameaçaram os jogadores.

Segue a nota de repúdio do próprio clube.

Nota de repúdio

A Diretoria do Esporte Clube Mamoré repudia a atitude de alguns torcedores que invadiram o corredor dos vestiários nesse sábado (29/02), após o jogo contra o Guarani, forçando a entrada nos vestiários, proferindo insultos, palavras de baixo calão e ameaças. O espaço é local de trabalho dos atletas e comissão técnica e não foi respeitado.

A revolta quanto ao resultado é compreensível e indigna a todos nós, mas existem formas civilizadas e pacíficas de demonstrá-la. A diretoria também repudia veementemente inclusive as cenas veiculadas em vídeos que circulam na internet de torcedores por ocasião da chegada de torcedores da equipe visitante.

“Isso não representa o Mamoré”.
Também repudiamos a confusão ocorrida por parte de alguns torcedores na arquibancada que ocasionou na paralisação da partida. Confusão essa relatada na súmula do jogo. Protestos são legítimos e devem ser feitos e serão ouvidos, desde que pautados pelo respeito, ética e urbanidade.

Fernando Souza

Fernando Souza é Rubro Negro nato, torcedor do Athletic, formado em Filosofia pela UFSJ,  apaixonado pela  cultura mineira e aficionado pela história do futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *